Prefeitura de João Pessoa fará concurso geral em 2013, diz Cartaxo

Prefeito eleito afirmou que vai abrir seleção em todas as áreas para substituição gradual de prestadores de serviços

Governo Municipal | Em 22/11/12 às 09h38, atualizado em 22/11/12 às 09h41 | Por Jornal Correio da Paraíba
Jornal Correio
Luciano Cartaxo

O prefeito eleito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), afirmou ontem que já realizará concursos no próximo ano para a substituição gradativa dos prestadores de serviço por servidores concursados. No entanto, garantiu que serão renovados, de imediato, os contratos com os prestadores de serviço de áreas essenciais, como saúde e educação. Além disso, ele garantiu que apesar de vários nomes já especulados para compor o secretariado, na houve ainda nenhum convite neste sentido.

“Não vou realizar demissão em massa. Não posso paralisar os serviços essenciais da cidade, vamos estabelecer um diálogo. O prefeito ficou de encaminhar até o final do ano à Câmara Municipal um novo Projeto de Lei em relação à constitucionalidade dessas nomeações e isso deve ser apreciado e se ficar alguma coisa pendente para o próximo ano, nós buscaremos resolver. Vou também realizar muito concurso público”, declarou.

Segundo ele, como a lógica é de ocorrer a substituição de prestadores de serviço por concursados, este processo deverá demorar mais do que o prazo estabelecido pelo Ministério Público para as demissões. “Vamos analisar toda a situação da prefeitura. Vamos realmente realizar concurso público, mas não vamos demitir, para aí sim realizar o concurso. O concursado deve vir para substituir o prestador de serviço após todo o processo ser realizado. Vamos trabalhar neste sentido”, disse.

E continuou: “E em setores essenciais nós vamos renovar os contratos de imediato, porque não podemos parar a saúde, a educação, a guarda municipal, e mais do que isso, estamos trabalhando para quando chegar janeiro não haja problemas com os setores essenciais, como o lixo. Também teremos o carnaval, Folia de Rua, Estação do Sol, segurança, todo este setor que é essencial. Os hospitais, PSFs, escolas, também não podem parar. Temos que cuidar de todo o processo e a transição está acontecendo exatamente para isso, para não causar problemas para a população”, explicou.

Atenção

Fechar